quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Caso Camilla Abreu: defesa de policial tenta passar tese de um tiro 'acidental'

Os advogados do policial Allisson Wattson alegam que no dia em que  Camilla Abreu morreu após um tiro acidental. Segundo o delegado Emerson de Almeida, que está à frente das investigações, a defesa diz que a estudante pegou a arma do militar e dentro do carro apontou para ele, momento que tentou se defender.
Jovem estava desaparecida desde 26 de outubro 


O delegado Emerson disse em coletiva na manhã desta quarta-feira 1º de novembro, na Secretaria de Segurança Pública, que essa hipótese está descartada. "Nós achamos que não foi um acidente, na realidade foi um homicídio, pelas circunstâncias que ocorreu, pelas circunstâncias anteriores, pelas circunstâncias posteriores. Em hipótese nenhuma acreditamos que houve um acidente com a morte dessa jovem", afirmou.
Delegado Emerson de Almeida  

Ele alega que a Camilla teria visto uma mensagem no celular dele de uma suposta traição e iniciou a discussão, mas o delegado acredita que essa é uma história criada por ele.

“Não posso afirmar que houve a premeditação, mas não acreditamos em acidente. Com relação à premeditação, acho um pouco prematura para afirmar. As brigas eram constantes, numa dessas situações ele sacou a arma. A defesa alega que ela estaria com a arma dele e que esse acidente foi com relação ao disparo, que ela teria apontado a arma para ele, e que ele no intuito de tentar se defender, teria dado um golpe, como ela estaria com o dedo no gatilho, teria disparado acidentalmente, essa é a tese da defesa", disse o delegado.

"Ele alega que foi um acidente então não demonstra arrependimento. Nós temos 30 dias, ele está preso temporariamente por 30 dias, pode ser que antes disso vamos responder todas as indagações. Ele vai ficar preso no quartel em razão de ser capitão da Polícia Militar", concluiu Emerson de Almeida.


O corpo de Camilla Abreu, 21 anos, foi achado na tarde desta terça-feira (31/10) em um matagal na Zona Rural de Teresina e o policial Allisson Wattson foi preso após confessar o crime e dizer onde tinha colocado o corpo. Ele teria praticado sexo com ela antes de disparar um tiro no seu rosto, e depois jogou seu corpo no matagal. No outro dia tentou limpar do carro o sangue e vender o veículo. A estudante estava desaparecida desde 26 de outubro, quando foi vista na companhia dele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário